De 4 no cinema: hoje estreia "Pânico 4" e "Eu sou o número 4"

Hoje estreia dois filmes que estou bem ansioso para assistir: a continuação e pontapé de uma nova trilogia Pânico 4 e a ficção-científica jovial de Eu sou o número 4.
Quem me conhece sabe o quando curto os filmes Pânico. Podem falar a vontade que é bobão, que não mete medo em ninguém e o escambal. Mas eu adoro. Fez parte da minha infância e adolescência e sempre será visto com muito carinho por mim. 
Bem, não existem grandes novidades no roteiro: Sidney não continua curtindo filmes de terror e mais alguém vai assombrar a coitada com o passado negro da mãe da garota. Muito sangue vai rolar, muita palhaçada também.

Trailer

Em Eu sou o número 4, um jovem – que nunca teve uma vida muito normal, descobre que na verdade é um ser de outro mundo, sendo assim, acaba mudando mais uma vez de cidade e começa uma aventura muito loucam – essa minha sinopes parece texto da Sessão da tarde, né? rs
Parece bobo, mas tem dois pontos enormes que me fazer querer assistir ainda hoje: muitos efeitos especiais e tem a linda, sexy e absoluta Dianna Agron (Glee) no elenco.

Trailer

E aí, vamos ao cinema hoje? Nada desse papo “depois eu vejo o pirada”, quero ver todo mundo na salinha escura – eita!

Os homens que não amavam as mulheres: assista!

Fiquei surpreso com um dos lançamento nos cinemas desta semana: o filme sueco Os homens que não amavam as mulheres (2009). Tive o privilégio de assisti-lo no começo deste ano, em minhas mini-férias em BH, e, apesar de ter “torcido o nariz” quando ouvi do título, levei um baita arrastão o assistindo.

O filme é baseado no bestseller homônimo do jornalista sueco Stieg Larsson, que vendeu mais de 10 milhões de cópias ao redor do mundo, justamente por fugir de clichês e/ou modismos (como vampiros românticos ou enigmas históricos/religiosos) – já diria a UOL. Este filme é o primeiro da trilogia, que por sinal, o segundo (A garota que brincava com fogo) já tem data de estreia para julho deste ano.

Este filme é para pessoas que querem ser desafiadas, pois é preciso estar 100% concentrado para desvendar o mistério principal do filme. Existem cargas dramáticas, os personagens são extremamente intrigantes e o filme traz reviravoltas de tirar o fôlego – sem contar as intrigas sexuais.

Vale destacar que os personagens são super interessantes, principalmente a heroína hacker “tatuada”, lésbica (será?) e cheia de piercings. Preste atenção nela. Fica a dica!

Como sempre, já existe a possibilidade de um remake americano, diz que vai ser dirigido por David Fincher (Clube da Luta e O curioso caso de beijamim buttom), mas ó só, duvido que chegue aos pés desta versão europeia. Então, recomendo que todos assistam antes que Hollywood o estrague.
Fico feliz de saber que este filme, principalmente por não ser americano, está estreando em cinemas do Brasil todo – principalmente da esquecida Manaus (precisamente no Cinemark – Studio 5). Recomendo a todos aqueles que falam a famosa frase “não tem um filme interessante que estreie aqui”, esse filme é para calarmos a boca.

Caso contrário, amanhã tem a mostra dos “curtas de 1 minuto”, do cineasta regional Junior Rodrigues, a partir das 11h no Cinemark. Fica a dica.


Segue o trailer do filme:



Comentários/Pensamentos? Comente