Acorda Menina! Saiu nova música da Gwen Stefani “Baby don’t lie”

68984_10152754683816427_2002095166929635810_n

Confesso, estava com medo.

regina-duarte-medo

Mas daí, Gwen – mais uma vez produzida por Pharrell Williams – voltou com aquele pop divertido, com batida, vocais gostosos e um pouco daquela essência que o ska do No Doubt tanto faz falta. Por mais que eu tenha sentido uma influência de “Te Amo”(Rihanna) e “Princess of China” (Coldplay), a música me fisgou de jeito. Ainda bem, o nosso pop de todo dia merecia alguém com mais estrada.

~beibi don beibi don láai~

Advertisements

Pelamordi assistiu: “Mesmo Se Nada Der Certo” (Begin Again, 2013)

download

Vocês já assistiram a um filme tão delícia que gostariam que ele virasse série para acompanhar os personagens todas as semanas? Eu tenho alguns assim. Um deles é o “Apenas Uma Vez”, musical irlandês lançado em 2006/7 – e que depois virou peça premiada na Broadway. A jornada dos personagens de Marketa Iglová e Glen Hansard (que ganharam Oscar com a música ‘Falling Slowly’, tema principal do filme) é tão genuína e confunde tanto vida real e ficção que não tem como não se apaixonar.

O diretor do filme era o nem tão conhecido assim John Carney. Sete anos depois, ele faz de novo. Com “Mesmo Se Nada Der Certo”, tive a mesma sensação de “Once”. Simplesmente adorável, a produção estrelada por Keira Knightley e Mark Ruffalo é capaz de colocar um sorriso até no mais gelado dos corações.

Keira Knightley in Begin Again

“Mesmo Se Nada Der Certo” traz Knightley como Gretta, uma jovem compositora sem rumo após terminar o relacionamento com Dave (Adam Levine, em sua estreia no cinema). Quase se despedindo de Nova York – após uma estadia frustrada com o amado, agora um sucesso da música -, ela chama a atenção de um produtor musical falido (Ruffalo) ao soltar a voz em uma ‘noite para compositores’, bem comum em bares de NYC.

Encantado com a voz e as composições de Gretta, ele decide investir no talento da jovem. Juntos, os dois embarcam em uma jornada que os mostra uma Nova York diferente ao passo que gravam as músicas que vão dar forma ao álbum da compositora.

rs_560x415-140328181340-1024.Begin-Again-Adam-Levine-Keira-Knightley.ms.032814_copy

Carney já nos ganha de cara, ao usar uma montagem não-linear para nos apresentar aos personagens principais. A construção do filme, aliás, é um dos pontos altos da produção. Em nenhum momento ficamos cansados daquela história ou das repetidas cenas musicais. Graças à montagem, conseguimos ser surpreendidos até o último minuto (btw, que escolha ótima a de colocar certas cenas nos créditos em vez de no meio da produção).

A propósito, as canções do filme são um deleite. Lindas, cabem perfeitamente na voz de Kinghtley. Já Levine, à vontade com o papel de popstar repentino, transforma as músicas delicadas de Gretta em sucessos que poderiam ter sido gravados pelo Maroon 5. Ruffalo, por sua vez, constrói com perfeição um tipo frustrado, visivelmente cansado da vida que leva e sem esperanças de mudança. Na cena em que avista a personagem de Knightley pela primeira vez, Ruffallo reúne todas esses elementos do personagem em um momento de catarse total.

O elenco ainda traz Hailee Steinfeld e Catherine Keener (que lástima essa atriz tão maravilhosa colecionar ‘pontas’!) em papéis menores, além de James Corden como o carismático Steve, melhor amigo da protagonista, e mais um jurado do The Voice, Cee-Lo Green (!!), que interpreta um popstar rico e famoso graças ao talento do personagem de Ruffalo.

f1db6a16cc9a57bcf5fab5fe89ffac97

Sem precisar apelar para romantismo barato ou para uma enfadonha ‘moral da história’, Carney nos mostra uma história leve tendo como o pano de fundo o verão de Nova York. Para os personagens, foram necessárias apenas algumas semanas para que suas vidas mudassem. Já eu precisei de apenas duas horas para ficar com o coração aquecido.

Adam curtchiu a voz da Keira!

Adam curtchiu a voz da Keira!

Pra quem ficou curioso, seguem aqui algumas músicas do filme (a trilha já está disponível no Spotify!):

TOP 5 Hits que o Roupa Nova ajudou a criar e você não sabia

4ba_c2___banda_roupa_nova-687468-500c760d099d81

Quem não gosta de Roupa Nova, bom sujeito não é. Ou é ruim da cabeça ou é doente do pé. Tem quem diga que o grupo é brega, que o combo baterista + vocalista é meio trash, que eles já são peça de museu, mas a verdade é que todas essas pessoas sabem cantar pelo menos duas músicas do ~New Clothing~. Tô mentindo?

Amaaaar é envelhecer querendo te abraçaaaar...

Amaaaar é envelhecer querendo te abraçaaaar…

O que nem todo mundo sabe é que muitas canções super conhecidas têm o dedo – ou melhor, os dedos, rs – do sexteto. Para refrescar a memória de alguns e deixar outros chocados, o Pelamordi selecionou alguns ~clássicos~ que foram arranjados, compostos e até cantados pelo Roupa Nova, que também faz as vezes de backing vocal. Polivalência é isso, benhê!

TRÁ!

TRÁ!

“A Lenda”

maxresdefault

Todo mundo “se alembra dessa paixão”, né? Bom, um dos maiores sucessos da Sandyléia e do Junho é de autoria de três membros do Roupa Nova, Kiko, Feghali (meu ex-amigo de Orkut) e Nando. Velhos conhecidos da família Xororó, os integrantes do New Clothing também participaram de outras gravações das duas duplas, e os sertanejos retribuíram em 2004, participando do DVD “RoupAcústico”. Em 2010, foi a vez de Sandy dividir os vocais com o baterista-vocalista Serginho em “Chuva de Prata”.

“Tema da Vitória”

01175544939012

Um clássico que embalou os domingos de uma geração e que emociona muita gente até hoje, o “Tema da Vitória” foi a marca registrada das vitórias do Ayrton Senna (#sdds) na Fórmula 1. O inconfundível “pan pan pan…” que se juntava ao som dos motores e aos gritos de “Ayrton Senna do Brasil!” é resultado de uma parceria entre o Roupa Nova e o maestro Eduardo Souto Neto. A apresentação dessa música é para não deixar dúvidas de que, mais que uma fábrica de sucessos, a banda também é formada por músicos talentosíssimos!

“Ilariê”

ATgAAAASIfgTt1VaqnP_FSzIlFx7Cm6DlyMi5LKoGvM3eCnMy6B6Hj_fA9G46nGsk8g8ghBsH1yWOlr_EYHOF86EV8w1AJtU9

Como já falei, os músicos do Roupa Nova também emprestam suas  habilidades musicais para vários artistas. No entanto, isso não se resume a composições. O sexteto também participou da gravação de várias músicas de sucesso. O solo de guitarra zenzazional de “Ilariê”, por exemplo, saiu das mãos do Kiko! Quer rebobinar?

“Tema do Rock in Rio”

Rock_in_Rio_-_Madrid_2012

Apesar de nunca ter se apresentado no Rock in Rio, o Roupa Nova deixou sua marca no festival. Talvez nem tanto para a geração que viu Cláudia Leitte Britney Spears, mas a galera dos anos 80 sabia de cor e salteado o tema do RIR – cantado pelo nosso grupo preferido. Vamos cantar? “Ôôôô, rock in riooo!”

“Flagra” e “Lança Perfume”

rita-lee-atras-do-porto-tem-uma-cidade

Aquele “tchaáááá tchaááá tchááá tchuráááá” do início de “Flagra” não veio de um grupo de backing vocais aleatórias  e sim de quem, adivinhem? Pois é! Nem mesmo a rainha-diva-maravilhosa Rita Lee resistiu aos encantos vocais do Roupa Nova.

E aí, qual é a música que vocês mais gostam do Roupa Nova?

Quero a calça do Feghali PRA ONTEM!

Quero a calça do Feghali PRA ONTEM!

Kelis, a verdadeira “camaleoa da música” volta com disco “Food”

 

 

kelis-bar-d177474d76a21e9bb5e4b6193a6ba794efe75588-s6-c30

Kelis (se pronuncia “Ké-lís”) sempre esteve a frente e é lançadora de tendências musicais e visuais. A nova-iorquina de voz grave e sensual começou sua carreira em 99 (melhor ano da música, desculpa) com o single “Caught out there”  e hoje, formada em gastronomia, lança o sexto álbum “Food”.

kelis 2014 food transformations_pelamordi

Uma verdadeira camaleoa musical e visual

1999: Quem tem uma boa memória musical boa lembra da eterna e revoltada frase “I hate you so much right now” – que tive o prazer de conhecer graças ao Top 10 Estados Unidos da falecida-boa MTV Brasil e uma matéria na revista VIP da época.

kelis_kalendoscope_1999_pelamordi_divaxdiva

Desde lá, a curiosidade surgiu em meu coração: afinal, quem era essa garota abusada? Que clipe louco é esse? Que som estranho é esse que parece “vagalumes sendo mortos”?

2001: Tempos depois – e eu nunca tendo dinheiro para comprar os CDs importados  que nunca chegavam à Manaus – ela lançou mais um disco e a faixa “Young, Fresh N’ new” que me chamou muita atenção, ainda com sonoridade hip Hop/RnB, outro hino de independência  com o grito  “HEY! RUNAWAY FROM…HOME!”.

kelis_wanderland_2001_pelamordi_divaxdiva

No clipe ela quebrava tudo com aqueles carros de pneus gigantes e chamava os “underdogs” para seu passeio destruidor. Sempre sonhei em ter esse passeio com Kelis. Nesse tempo não tinha Youtube, então me contentava em assistir graças a minha paciência de esperar o clipa passar e grana em fita K7 – ele mal passava na MTV Brasil mas às vezes rolava no falecido canal francês MCM (ssds).

 

2003: Tempos depois e lançando parceria com produtor-sensation Andre 3000 (Outkast), ela vem com mais um hino, faixas viciantes e um grande hit mundial!

kelis_tasty_2003_pelamordi_divaxdiva

Desta vez com uma sonoridade mais divertida, pop-rádio (mas sempre com batidas RnB/Hip Hop) e com estouro de escala mundial e faixa “Milkshake” era uma das principais do filme Meninas Malavas, música que ela simplesmente chamava a negada para tomar milkshake no jardim dela e era abusada: ela levava todos os boys pra lá e cobrava para ensinar o “segredo” da iguaria.

2006: Anos se passaram e ela surge classuda, ostentando suas riquezas, aristocrata,  elite black, sexy e com batidas de enlouquecer a mente mais sã.

kelis_keis was here_2006_pelamordi_divaxdiva

Lá vinha a era mais adulta, segura de sua feminilidade – ela já não era mais uma garota. Com experimentos novos, violões, parcerias icônicas (Cee Lo Green e Will.I.Am) batidas loucas e até mesmo….pasmem….S-A-M-B-A. Afinal, ela era “mandona” e fazia o que queria – para nossa felicidade.

2010: Kelis casou com o rapper NAS, teve um filho, separou e resolveu recomeçar, como toda diva após parto.

kelis_fleshtone_2006_pelamordi_divaxdiva

Ela deu a luz a um álbum completamente diferente: eletrônico. Com produções assinadas por Benny Benassi, Diplo, David Guetta e outros. Uma obra prima, uma viajem musical de sensações, sons diferentes, interludes, letras positivas e amor para dar e vender. Especialmente o amor próprio. Kelis surgiu como uma amazona-futurista que defende, acima de tudo, a si mesmo.

Cada vez mais longe de holofotes e mais perto do público, Kelis fez shows mais intimistas, em festivais alternativos de pequeno e grande porte.

kelis tour robyn 2010 - pelamordi

Turnê de 2010 com Robyn

O foco da Kelis era claro: mostrar sua arte, expor sua voz, que ganhava mais destaque em suas faixas introspectivas. Sua confiança e potencia vocal elevou-se e só me causou mais arrepios e vontade de vê-la um dia ao vivo. Chora com o sample que ela usou ANTES DE BEYONCE:

 

2014: Anos se passaram, a bonita resolveu estudar gastronomia e essa jornada resultou num novo álbum chamado “Food” .

kelis-food

Banda, cordas, piano, vocais deslumbrantes, jazz, letras positivas e uma identidade visual completamente nova. Uma mistura de “big bands” com uma deusa, uma feiticeira ela é demais. De diva da pista para “Diva do Soul”.

Kelis Leaving The Kings Head Pub

A essência desse trabalho é de primor, adulto contemporânea, perfeita para ouvir em bares elegantes, reuniões regadas a vinho e noites íntimas. A surpresa fica pelas faixas que lembram festas de gente rica,com direito a falar português na “Cobbler” e até canções que são apenas voz e violão como a linda “Bless the telephone”.


E, como já era de esperar: contra toda regra pop. Tem lançado clipes simples, mostrando os bastidores de sua música e focando no que realmente importa: a música.

Fica aqui meu manifesto de amor à essa artista, que há anos me causa sorriso, arrepio, pensamentos e muitos momentos inesquecíveis. Não tinha encontrado algum post em português que falasse sobre a carreira dela, por isso resolvi dedicar um certo tempo e carinho para deixar registrado para sempre. Não deixem de comentar! 😉

screen-shot-2014-03-03-at-4-38-42-pm

 

Robyn está de volta com EP e Turnê em parceria com Röyksopp! Vem ouvir as novas músicas!

Captura de Tela 2014-04-23 às 11.01.57

Muita gente já chorou na pista com o “eletro-fossa” da Robyn. Bem, ela é bem isso: consegue colocar a nossa fossa e corações partidos em faixas eletrônicas cativantes e emocionantes – especialmente no projeto “Body Talk” (2010).

10173767_222834607912822_366239593_n

E depois de alguns anos sem lançar nada, a sueca simplesmente vai lançar agora no dia 26 um EP, em parceria com a dupla-eletrônica de noruegueses Röyksopp (que já produziram algumas faixas com ela anteriormente). Mas, ainda melhor que isso: eles também vão sair em turnê em junho. Saca só o trailer cativante:

O disco Do it Again, terá 5 faixas e algumas já podemos escutar. Está novo, diferente e como os mesmos falaram “não soa como Röyksopp com Robyn ou Robyn produzida pelo Röyksopp, é algo totalmente diferente, a palavra ‘colaboração’ nunca esteve tão justificada no mundo da música” (fonte).

Captura de Tela 2014-04-23 às 13.30.51

ouças elas AQUI

Tracklist:
01. “Monument”
02. “Sayit”
03. “Do It Again”
04. “Every Little Thing”
05. “Inside The Idle Hour Club” 

 

2014 realmente está começando muito bem para nós, ecléticos e fãs de música diferente. Cuidado: vicia.

Música: O “Little Red” de Katy B!

Imagem

Pra quem ainda não conhece Katy B. lá vai: Kathleen Anne mais conhecida como Katy B, é uma cantora e compositora britânica de apenas 24 anos que está com tudo. Recentemente a cantora fez um cover da música Drunk Love de nada menos que Beyoncé. confira:

Recentemente alcançou a parada britânica com o seu segundo álbum intitulado ”Little Red”, deixando pra trás a veterana Ellie Goulding (fonte). O gostoso e dançante álbum de Katy mistura o vocal poderoso com várias batidas incríveis. Ela é uma cantora que merece ser ouvida, a ruiva tem influências de R&B e Dubstep.

Conheça 5 AM, um dos singles do novo cd:

Imagem

Aumenta o som!

De Boa: ficou mais fácil ouvir música em qualquer lugar com o “Rdio”

rdio-montage

Taí uma das minhas melhores aquisições de 2014: o site de músicas Rdio. Eu, que vivia ouvindo música no Youtube ou Soundcloud, ganhei esse presente – junto com uma assinatura dele.

Rdio é fácil de acessar, te dá 14 dias de utilização gratuita e o valor da assinatura é bem em conta, R$14,90 mensais, e ainda te dá chance de ouvir pelo site e aplicativo no celular. Basta ter internet, claro, para poder ouvir qualquer uma das músicas do acervo de 20 milhões de outras faixas no site. Interessante que a plataforma foi criada por Janus Friis e Niklas Zennström, mesmos fundadores do Kazaa (que compartilhava arquivos de graça).

Rdio-vs-Spotify-Music-Streaming

O acervo é gigantesco, desde música clássica até mesmo os lançamentos de ritmos “brasileiros” mais tocados em rádios e baile funk. Mas além disso, para nós, fãs de pop: tem todas as divas, incluindo b-sides, remixes e shows. Demais, né?

Catibaldo pirou com a dica

Estou adorando a experiência e tendo a oportunidade de ouvir coisas novas, normalmente me “dá na telha” de buscar e lá encontro. Além disso tem um serviço de “shuffle” maravilhoso e ainda integra com todas as redes sociais – até mesmo o querido Last.fm. De longe, Rdio, é meu novo vício é um recurso muito De Boa.

Acesse agora: www.rdio.com